Histórico

Histórico

Na atualidade a Alimentação e Nutrição ocupam lugar de destaque tanto na agenda das organizações internacionais, voltadas ao desenvolvimento humano e à sustentabilidade ecológica do planeta, como na agenda pública do governo Federal.

Em relação à formação profissional do nutricionista, principal agente do campo da Alimentação e Nutrição, vale destacar a necessidade de investimentos no processo de formação continuada do nutricionista, sobretudo no que refere à ampliação das possibilidades de realização de cursos de Pós-Graduação stricto sensu, na área de Nutrição e Metabolismo.

A alimentação humana envolve uma complexidade de elementos relacionados às características físicas e químicas, às propriedades nutricionais e bioativas, sanitárias e sensoriais dos alimentos, assim como aos aspectos culturais, históricos, geográficos e ecológicos; e a relação do homem com a alimentação, a qual envolve aspectos socioculturais, psicológicos e antropológicos. A ciência da nutrição, de caráter interdisciplinar, estuda as necessidades nutricionais humanas em diferentes estados fisiológicos, condições de saúde e demandas físicas, decorrentes da intensidade de usos do corpo no trabalho. A dietética trata das transformações físicas, químicas e sensoriais de alimentos submetidos a processamento culinário, das combinações de ingredientes e suas características e propriedades, visando atender necessidades nutricionais, digestivas, sensoriais e higiênicas de indivíduos saudáveis e a demandas específicas na enfermidade.

Não podemos deixar de enfatizar que vários outros profissionais operam nesse campo eminentemente multidisciplinar, em especial quando se voltam para a produção de conhecimentos e saberes, seja eles oriundos da esfera de formação nas Ciências da Vida (Saúde, Biológicas e Agrárias), nas Ciências da Natureza (Ciências Exatas e da Terra, Engenharias e Ciências da Computação) ou nas Humanidades (Ciências Humanas, Ciências Sociais Aplicadas, bem como Linguística, Letras e Artes).

Quanto à formação de mestres e doutores em Nutrição e Metabolismo, nos últimos anos, o Brasil tem experimentado intenso crescimento e amadurecimento. A Pós-Graduação stricto sensu brasileira vem se aperfeiçoando e conquistando cada vez mais espaço no plano internacional. Os programas de Pós-Graduação (PPG) em Alimentação e Nutrição, como parte desse esforço nacional, vêm investindo na troca de experiências e na definição de estratégias para que seu desempenho possa acompanhar o ritmo das necessidades de saúde da sociedade brasileira. A constituição do Fórum Nacional de Coordenadores de Programas de Pós-Graduação em Alimentação e Nutrição representou um movimento estratégico fundamental.

De maneira geral, os PPG da área de Nutrição apresentaram uma significativa evolução tanto no que se refere à produção intelectual, quando à inserção nacional e internacional de suas atividades.

Esta realidade também pode ser reforçada quando olhamos a dimensão e participação da área alimentos, alimentação e nutrição dentro da Universidade de São Paulo neste panorama Nacional.

Esta dimensão pode ser detalhada quando olhamos para os números da Universidade de São Paulo (USP). Das Unidades da USP, 16 (38%) lecionam e/ou pesquisam na área de Nutrição e Ciências dos Alimentos. Na graduação são 255 disciplinas e na pós-graduação 236 disciplinas relacionadas à Alimentação e/ou Nutrição até o ano de 2016. O foco destas disciplinas são as seguintes áreas do saber: análise de alimentos, análise sensorial, biotecnologia, bioquímica de alimentos, microbiologia de alimentos, gestão de qualidade, Nutrição e Tecnologia de alimentos (Sistemas USP, 2019). Em relação aos Programas de Pós-Graduação em Nutrição da USP, atualmente são 2 programas na Faculdade de Saúde Pública (Programa de Pós Graduação em Saúde Pública e Programa de Pós Graduação em Nutrição e Saúde Pública), um programa na Faculdade de Ciências Farmacêuticas (Ciências dos Alimentos) e mais um programa Inter-Unidades: Faculdade de Economia e Administração, Faculdade de Ciências Farmacêuticas e Faculdade de Saúde Pública (Nutrição Humana Aplicada) que na avaliação do quadriênio 2016 obteve nota 3 e foi recomendado seu fechamento.

Portanto programas de PG na área de Alimentação e Nutrição são poucos diante da dimensão e importância que representa a USP na produção e disseminação de ciência e tecnologia no plano Nacional e Internacional.

Em relação às diferentes unidades da USP, chamamos a atenção para a Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP).

A FMRP, com seis décadas de história, é um importante centro de ensino e pesquisa sendo que na área de Nutrição, desde finais da década de 50, sob responsabilidade da Divisão de Nutrologia, foi consolidado um importante centro formador de recursos humanos na área de Nutrição.

A criação do Curso de graduação em Nutrição e Metabolismo (CNM) pela FMRP e a alocação dos docentes em seus diferentes departamentos a partir de 2003 representou um dos frutos dessa frente que atualmente é representada também pela formação de nutricionistas e de outros profissionais na área de saúde. Esse legado direcionou o Curso para a área de Nutrição Clínica a qual tem um ambiente propício, pois conta com a contribuição de pesquisadores e docentes com experiência reconhecida na área e em áreas afins.

Alguns aspectos devem ser destacados: existem vários pesquisadores consolidados na FMRP trabalhando com Nutrição e Metabolismo nos diferentes PPG do campus e em diferentes áreas do saber (Fisiologia, Bioquímica, Farmacologia, Imunologia, Patologia etc.); a própria criação do curso de graduação em Nutrição que representa 10% do total de títulos de graduação da FMRP; a proximidade com o Hospital das Clínicas; os poucos PPG em Alimentação e Nutrição na USP e a inexistência de PPG na USP com ênfase em Nutrição Clínica, mesmo sabendo da dimensão que é a área de Alimentos e Nutrição nesta instituição e na região.

Em pesquisa de egressos realizada na FMRP pelos docentes do curso de graduação em Nutrição observamos as seguintes áreas de atuação dos nossos egressos: Nutrição Clínica 41%, Alimentação Coletiva 23%, Nutrição e Saúde Pública 10%, Nutrição Esportiva 8%, Indústria de alimentos 3%, docência 12% e outras 4%. Desta forma este perfil mais clínico do curso de Nutrição e Metabolismo, seguindo a vocação desta unidade, tem demonstrado coerência com a atividade profissional dos nossos egressos.

Vale ressaltar que 84% dos nossos ex alunos estão fazendo PG sendo que 60% fazem nos programas de PG da FMRP-USP nos diferentes departamentos (Clínica Médica, Pediatria, Medicina Social, Fisiologia, Farmacologia e Patologia entre outros).

Outro aspecto importante são as áreas de atuação destes egressos nos PPG: Nutrição Clínica 52%, Nutrição e Saúde Pública 14%, Nutrição Esportiva 10%, Nutrição Clínica (Pediatria) 7%, Administração 4%, Nutrigenômica 4%, Nutrição Experimental 3%, Alimentos 2%, Áreas Básicas 2% e Alimentação Coletiva 1%. A maior parte destes alunos estava no PPG da Clínica Médica até a criação do Programa de Pós Graduação em Nutrição e Metabolismo (PPGNM).

Assim a criação do Programa de Pós Graduação em Nutrição e Metabolismo (PPGNM) (Mestrado e Doutorado), tem beneficiado não somente os egressos da graduação da FMRP, mas também outros cursos de Nutrição e na área de saúde no plano local, regional, nacional e internacional.

Os alunos nutricionistas representam aproximadamente 98% do total de alunos do PPGNM. Ressalto que este programa também está aberto para médicos e outros profissionais da saúde como, fisioterapêutas, Enfermeiros, bem como Biólogos, Biomédicos, Fonoaudiólogos, Farmacêuticos, Informática Biomédica e Física Médica entre outras. De um total de 15 docentes orientadores (permanentes) 40% são nutricionistas, 53% médicos e 7% biólogo. Estes docentes incluem docentes do Curso de Nutrição e Metabolismo e docentes médicos da FMRP todos com linhas de pesquisa em Nutrição e produções correspondentes em revistas de moderado a alto impacto na área de Nutrição.